A cura no Vale do Amanhecer
Ana Lúcia Galinkin
Stacks Image 5
O Vale do Amanhecer é uma comunidade religiosa intimamente ligada a Brasília.
Neiva Zelaya, mais conhecida como
Tia Neiva, líder carismática da Doutrina do Amanhecer, veio em 1957 trabalhar na construção da Nova Capital. Já nessa época destacava-se entre os milhares de candangos – como ficaram conhecidos esses trabalhadores – que para cá acorreram, pois era a única mulher a trabalhar como caminhoneira.
Em 1958, um ano após chegar a Brasília, Neiva começa a ter visões, mas só no ano seguinte começa a admitir seus dons mediúnicos e dar início à sua trajetória como Clarividente. Em 1964, Tia Neiva cria a Ordem Espiritualista Cristã, e em 1970 instala-se no local que denominou Vale do Amanhecer.
O livro de Ana Lúcia Galinkin, A cura no Vale do Amanhecer, analisa o processo empregado na Doutrina do Amanhecer para tratamento de diversas formas de sofrimento dos clientes do Vale. E observa como a adesão destes à Doutrina é fundamental para o processo da cura. Sua leitura é essencial para quem deseja conhecer o Vale do Amanhecer, seus ritos e o processo de cura que ali ocorre.

Preço: R$ 50,00 (ISBN 978-85-62313-01-1) Peso: 370 g (pode ser enviado pelos Correios como Impresso Registrado Módico)


_______________#######____________________________________________________

Gênero e Psicologia Social: interfaces

Organizadoras: Ana Lúcia Galinkin e Claudiene Santos
Stacks Image 27
Neste livro, o diálogo entre Psicologia Social e os estudos de gênero abarca questões relativas às identidades de gênero e sua construção social, as representações sociais do envelhecimento, as relacionadas ao trabalho, violência de gênero, homoparentalidade, lesbiandade e o papel da mídia na construção e visibilidade das questões de gênero.
A proposta desse livro surgiu nas profícuas discussões ocorridas no âmbito da disciplina Psicologia do Gênero, no programa de Pós-Graduação em Psicologia Social, do Trabalho e das Organizações (PPG-PSTO), do Instituto de Psicologia da Universidade de Brasília. A diversidade de formações das/dos participantes desses debates, ampliados pela interação com outros pares, promoveu o diálogo entre a Psicologia Social com os estudos de gênero em diferentes perspectivas.
O livro é composto por 21 artigos, com mais de 30 autores, e abrange uma grande diversidade de assuntos relacionados ao seu tema.

Preço: R$ 75,00 Peso: 800g (enviado como PAC ou Sedex)

________________######____________________________######__________________________________________________________________________

Psicanálise da vida cotidiana

Autor: Carlos Vieira
Stacks Image 47
Crônicas do médico e psicanalista Carlos Vieira, em que "esmiúça os sentimentos e dramas humanos com a argúcia de quem já ouviu o inimaginável em seus 43 anos de consultório psicanalítico", em Brasília. "A sensibilidade com que o autor trata os conflitos vividos rotineiramente por homens e mulheres comuns é de uma generosidade notável ... A beleza desse trabalho é o confrontamento que leva o leitor a fazer consigo mesmo, obrigando-o a reconhecer e até mesmo admitir que partilha das colocações mais abjetas descritas pelo autor. As reflexões de Carlos Vieira, ... um ouvinte que procura não julgar, mas tão somente  mostrar ao interlocutor o que ele próprio resiste  em enxergar" (as citações são do texto de Catarina Alencastro, jornalista, na "orelha" do livro)

Preço: R$ 50,00 Peso: 300g (pode ser enviado pelos Correios como Impresso Registrado Módico)

_______________######____________________######______________________________________________________________________________________________________

O Olhar do Psicanalista – crônicas

Autor: Carlos Vieira
Stacks Image 67
A produção semanal de crônicas não é para qualquer um. Grandes nomes da literatura e poesia brasileiras dedicaram-se com afinco a esse metier, enriquecendo sobremaneira os leitores dos jornais brasileiros.
Já na era digital, o psicanalista Carlos Vieira iniciou suas crônicas regulares – sob o título "Psicanálise da vida cotidiana" – publicando no Blog do Moreno, do jornalista Jorge Moreno, em 2011, no sítio de O Globo na internet, onde permaneceu até 14 de junho de 2017, quando ocorreu o lamentável falecimento desse jornalista. Nessa ocasião, Carlos recebeu o convite de Ricardo Noblat para continuar produzindo suas crônicas semanais, que passaram então a serem hospedadas, sob o mesmo título, no Blog do Noblat, onde encontra-se até hoje.

Completando, em 2018, 50 anos de consultório, esta (con)vivência com a intimidade do ser humano transforma-se em crônicas permeadas pela literatura universal, onde os autores clássicos espelham o dia-a-dia da vida.

Neste volume os leitores encontrarão crônicas tanto da fase Moreno quanto mais recentes, publicadas no Blog do Noblat, então hospedado no sítio da revista Veja.
Maurício Galinkin - editor

Preço: R$ 70,00 Peso: 380g (pode ser enviado pelos Correios como Impresso Registrado Módico)

_______________######_____________________######________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

Violência conjugal contra a mulher na cidade de Maputo (Moçambique): enfrentamentos e representações sociais

Autores: Aniceto Mateus e Angela Maria de Oliveira Almeida

Stacks Image 73
"Este livro faz uma reflexão sobre violência conjugal contra a mulher, seus meandros e representações sociais. Resulta de um estudo de campo realizado na cidade de Maputo, capital de Moçambique, com mulheres que sofreram e/ou ainda sofrem deste tipo de aҫões pelos cônjuges e insere-se na área de Psicologia Social. O estudo visava compreender as representações sociais de mulheres sobre violência conjugal contra a mulher, construídas e compartilhadas no contexto das suas relações conjugais, evidenciando os processos psicossociais e culturais que possibilitam sua construção e os conteúdos que as compõem."
"Enquanto fenômeno psicossocial, a violência conjugal contra a mulher se reveste de subjetividades e comporta ideias como força, poder, dominação, submissão, dano, as quais, por sua vez, remetem automaticamente ao espaço conjugal e doméstico. Isso implica que esta forma de violência não pode ser analisada como um fenômeno isolado, alheio a variáveis psicossociais e culturais, mas sim como um fenômeno resultante da interação de diversos fatores inscritos num contexto sócio-histórico e cultural particular."

Preço: R$ 40,00 Peso: 210g (pode ser enviado pelos Correios como Impresso Registrado Módico)